Os silêncios de Robin Williams
  • 15
  • 08

Nas entrevistas, a fala dele era uma tempestade de vozes, sotaques e personalidades – seguida por momentos perturbadores de vazio e calmaria

ANA MARIA BAHIANA, DE LOS ANGELES

(Ana Maria Bahiana vai estar no recife, ministrando o curso “Como ver Um Filme”. Saiba mais, clicando aqui.)

O que assustava em Robin Williams eram os silêncios. Eles vinham de repente, depois de uma saraivada frenética de ideias, palavras e imitações, presas umas às outras por livre associação, pontuadas por vozes diferentes, idiomas diferentes, sotaques diferentes. No tempo que daria para encher um parágrafo de texto, Williams pulava do inglês para o francês, para o alemão, para o espanhol. Transformava-se num motorista de táxi de Nova Jersey, numa garotinha de jardim de infância, num entediado crítico gastronômico, num professor de Oxford. Descrevia uma refeição memorável num bistrô de Paris, sua reação ao ver o filme Doutor Jivago pela primeira vez, como a dramaturgia de Brecht podia mudar a visão de mundo de um ator e como eram os bailinhos com garotas no internato só de meninos onde passara sua infância. “Eu me sentia como Quasímodo numa delicatéssen.”

>> Ator Robin Williams morre aos 63 anos

rw-1

E aí, de repente, vinham os silêncios. Williams rangia silenciosamente os dentes, a mandíbula exterior levemente estendida, o olhar perdido nalgum ponto distante além da interlocutora, além da sala, além do prédio, além.

Como a visão retrospectiva é sempre perfeita, é fácil hoje definir esse silêncio como triste, tristíssimo, desesperadoramente triste. No momento, a sensação que se tinha era de susto, desconforto. Parecia que o brinquedo quebrara, que a presença da interlocutora não era mais bem-vinda, ou que algo absolutamente grave e bizarro acontecera. No começo, eu achava a sensação semelhante à breve calmaria que se segue a uma série de ondas grandes e violentas. Hoje, a acho mais próxima da vazante extrema que anuncia um tsunami. Hoje, sei também que, nesses silêncios, vivia a coisa mais parecida com o “verdadeiro Robin Williams” que eu jamais veria.

>> Ator Robin Williams cometeu suicídio por enforcamento, diz polícia

Entrevistei Robin Williams pela primeira vez em dezembro de 1987. Estava em Los Angeles havia meros seis meses, e Robin lançava o filme Bom dia, Vietnã, que deflagrou sua trajetória como astro cinematográfico.

Com uma bela carreira na televisão desde o final da década de 1970, Williams começara a se deslocar para a tela grande com alguns filmes – o controvertido Popeye, de Robert Altman (1980), O mundo segundo Garp (1982) e Moscou em Nova York (1984). Este último, dirigido por Paul Mazursky, figura essencial do cinema independente americano, pôs Williams definitivamente na mira como ator, não apenas comediante. No papel de um artista de circo russo que decide abandonar a trupe em excursão pelos Estados Unidos e ficar em Nova York, Williams, nas palavras do ilustre crítico Roger Ebert, “desaparece tão inteiramente no personagem, com tantas nuances delicadas, divertidas e complicadas, que parece inteiramente plausível que ele seja russo mesmo”.
>> 10 filmes marcantes de Robin Williams

É bom lembrar que nessa época, para um ator, os mercados de televisão e cinema eram rigorosamente segregados. Fazer boa carreira num não era garantia de sucesso no outro, muito pelo contrário. Isso era ainda mais verdadeiro quando se tratava de comediantes. A geração de Williams, que inclui seu grande amigo e alma gêmea John Belushi, mais Eddie Murphy, Dan Aykroyd, Bill Murray e Tom Hanks, foi a vanguarda na derrubada dessas fronteiras.

Leia mais em Revista Época.

Mais notícias
  • 24 nov 2017
  • 0
Na tarde desta quinta-feira (23) os estudantes da Escola Estadual Padre Lebret, localizada no Ibura, exibiram o primeiro curta-metragem criado na unidade de ensino. O...
  • 12 nov 2014
  • 0
Curso para atores profissionais ou em formação que já estão mais próximo do mercado. O Diretor vai escolher dois alunos para participar de um curta-metragem,...
  • 24 nov 2017
  • 0
Fonte: http://g1.globo.com/pernambuco/netv-1edicao/videos/t/edicoes/v/estudantes-do-ibura-conferem-na-tela-grande-filme-feitos-por-eles-mesmos/6311677/